12 dicas para o MEI enfrentar a crise e gerar novas oportunidades!

Tempo de leitura: 7 minutos

Sabemos que os microempreendedores individuais e pequenas empresas serão as mais impactadas pela crise gerada pela pandemia. Muitas empresas já sentiram o baque e tiveram que fechar suas portas, infelizmente.

O principal setor que será mais afetado é o de comércio e serviços, segundo apontaram algumas pesquisas, devido ao fato de que após o retorno do comércio, por exemplo, em muitas cidades, os clientes ficaram com receio de voltar a frequentar.

Por isso, para que os empresários possam permanecer com suas empresas abertas ou simplesmente possam gerar receitas, algumas ações deverão ser tomadas e novas soluções implementadas. Assim, poderão aliviar os riscos e problemas financeiros. E claro, muito importante, fazendo isso cuidando da sua proteção e de seu cliente, fato que não podemos esquecer!

Pensando nesse tema, selecionamos abaixo algumas ações e medidas que poderão lhe ajudar a passar por esse momento, sabemos que cada microempreendedor possui uma realidade diferente, mas mesmo assim podem analisar as ideias e adaptar para cada caso. O importante é não permanecer inerte nesse período.

Planejamento – ajuste na produção

Nota-se que no cenário atual, a procura por determinados produtos (ou serviços) caiu consideravelmente. Muitas empresas precisarão rever sua produção, seja para evitar de ter estoque parado ou desperdícios, mas também por questões de redução de custo, otimização dos recursos e da empresa como um todo, isso será muito importante nessa fase.

Ações como essa ajudarão você a manter seu negócio saudável, controlando os riscos, mas sem deixar 100% paralisado. Rever despesas e fazer alguns cortes serão necessários, seja na produção, logística, ou outro setor.

Fornecedores

Como mencionamos anteriormente, ações de corte de custos e despesas serão importante nessa fase, também não podemos deixar de lado a revisão dos contratos com nossos fornecedores!

Por exemplo, rever contrato de locação, se você possui, no caso de ter ficado fechado por algum momento, tentar um abatimento, em casos de redução de faturamento, poderás analisar junto a este uma redução no aluguel do imóvel ou redução por prazo determinado, até que tudo se normalize. Em casos de fornecimento de matéria-prima ou produto final, rever as quantidades adquiridas, evitando assim desperdícios e compras que neste momento não terão o giro normal de antes, correndo o risco de deixa-las no estoque por muito tempo.

O microempreendedor precisa analisar os custos e despesas de sobrevivência da empresa e cortar os demais.

Pagamento de tributos

O Governo elaborou algumas medidas em relação ao tema para ajudar as empresas no País, vamos mencionar abaixo as que se enquadram ao MEI:

Prorrogação dos pagamentos de tributos do Simples Nacional

Os tributos federais apurados Programa Gerador do DAS para o MEI (PGMEI) foram prorrogados por três meses, onde os vencimentos de março, abril e maio, ficaram respectivamente para outubro, novembro e dezembro.

Prorrogação no prazo de submissão da DASN

O Comitê Gestor do Simples Nacional (CGSN) aprovou a Resolução CGSN 153, que prorroga para o dia 30 de junho de 2020 o prazo para a submissão da Declaração Anual de Faturamento (DASN) e da Declaração de Informações Socioeconômicas e Fiscais (Defis), referentes ao ano de 2019.

Renda Básica Emergencial

Foi aprovado, por meio da Medida Provisória nº 936, o benefício da Renda Básica Emergencial, no valor de R$600,00 por três meses diante do contexto de calamidade pública causada pela pandemia de covid-19. O benefício começou a ser pago a partir do dia 10 de abril para quem estava no Cadastro Único do governo, e no dia 16 para quem não está no cadastro.

Nesse benefício é limitado a duas pessoas da mesma família. A mãe chefe de família (sem marido ou companheiro) tem direito a duas cotas do auxílio, no total de R$ 1,2 mil. Duas pessoas de uma mesma família podem acumular benefícios: um do auxílio emergencial de R$ 600 e um do Bolsa Família. Quem receber o Bolsa Família e se encaixar no critério do benefício emergencial, vai receber o que for maior.

Instituições bancárias

A Febraban (Federação Brasileira de Bancos) anunciou que os cinco maiores bancos (Banco do Brasil, Bradesco, Caixa, Itaú Unibanco e Santander) irão prorrogar, por 60 dias, os vencimentos de dívidas de seus clientes pessoas físicas e micro e pequenas empresas. Isso não se estende às dívidas no cartão de crédito e cheque especial nem inclui boletos de consumo (água, luz, telefone) e tributos.

A medida vale para os contratos que estejam em vigência, com pagamentos em dia. Cada instituição bancária irá definir o prazo e as condições dos novos pagamentos.

Investir em venda online e delivery

Em relação a esse tema, entidades como o Sebrae, recomendam que empreendedores invistam na presença digital de seus negócios, oferecendo vendas online e entregas em domicílio, se o segmento permitir. É muito importante você adequar seu método de vendas e se adaptar ao delivery, do que ficar sem faturar.

Muitos microempreendedores deixam de ter um delivery devido as cobranças taxas sobre o pedido, mas poderás optar por delivery que cobra apenas mensalidade fixa, como o Delivery Vip (link para acesso: https://www.deliveryvip.com.br/).

Prestação de serviços

Atualmente tem muitos sites que conectam profissionais autônomos a clientes interessados em serviços. Muitos setores, como nas áreas de marketing ou suporte administrativo, as demandas podem ser executadas de forma remota, sem necessitar de deslocamento. Essas plataformas aumentaram suas demandas nesse período de pandemia devido isso.

Também podemos contar a plataforma AceleraMei, que liga clientes a profissionais! Além de fazer essa conexão, também é CRM de Vendas e Atendimento do Microempreendedor Individual, com o AceleraMEI você poderá realizar um atendimento ágil e diferenciado para seu cliente, organizar suas demandas geradas pelo cliente através da plataforma, aprovar as mesmas e gerenciar suas propostas. Além de poder coletar feedback do seu cliente e fidelizar o mesmo.

Esses recursos mencionados acima são grátis. Para se inscrever clique no link: https://www.aceleramei.com.br/

Franquias digitais

Vários são os segmentos que foram afetados pela crise no setor de franquias. Empresas que tem a operação online ou tem aplicativos, conseguiram manter suas atividades de forma remota ou home office. Inclusive, cabe ressaltar que algumas notaram crescimento na demanda nesse momento.

Claro que antes de optar por investir em uma franquia, é preciso analisar e estudar bem sobre o tema, capital a ser investido, tempo retorno desse investimento, se mesmo na crise atual vai conseguir ter lucro.

Revenda de produtos

Revender produtos é uma boa opção para trabalhar de casa. MEIs podem se cadastrar como revendedores em redes de cosméticos, roupas, calçados, moda íntima, entre outros. É uma opção prática para buscar garantir uma renda extra. Mas também reforçamos que é preciso analisar bem em qual produto investir, como irá revender, margem de lucro e se realmente o produto escolhido terá demanda na sua cidade.

Essas são algumas opções para você implementar nessa fase. Sabemos que será um momento complexo, que requer muita atenção, por isso o quanto antes implementar uma ação, melhor! Se você trabalha com produtos alimentícios e bebidas (restaurantes, distribuidoras, padarias, lancherias e similares) poderás implementar seu Delivery Próprio, ou poderás trabalhar com venda de outros produtos ou ainda abrir uma franquia. Tudo deverá ser analisado com cautela, para não tomarmos nenhuma ação equivocada.

Para que assim, após retornarmos à normalidade, sua empresa esteja com estável e com boa saúde financeira.

Os comentários foram encerrados, mas trackbacks e pingbacks estão abertos.