O segredo desse vendedor de cachorros-quentes que fatura 108 mil por ano!

Tempo de leitura: 4 minutos

 

vendedor de cachorro-quente
fonte da imagem: https://goo.gl/nXYCZy

Veja o segredo desse vendedor de cachorros-quentes que fatura 108 mil por ano!

Pergunte-se:

  • Sei quanto meu produto Custa?
  • Sei quanto meu produto Vale?
  • Posso investir de forma fácil?

Não é duvida que o segredo de um bom negócio não consiste  apenas em uma ou duas técnicas de venda, porém pode-se dizer que algumas sacadas  inteligentes  contribuem bastante para o funcionamento perfeito de um empreendimento.

Continue lendo para  descobrir como um vendedor de cachorros-quentes consegue até 108 mil reais por ano utilizando uma boa observação e uma rotina simples de trabalho.  Se você for um Microempreendedor Individual (MEI) ou profissional autônomo, preste bastante atenção nessas dicas!

Você pode se interessar também por: 

Com um público variado, entre professores, universitários, crianças e trabalhadores da região do bairro Rudge Ramos, Enéas trabalha das 9h às 22h, de segunda a sexta-feira. Dentro desse período, vende, pelo menos, 150 cachorros-quentes por dia a R$ 3 cada. Além disso, há uma receita adicional com bebidas e festas que ele prefere não detalhar.

O sucesso do carrinho, conta ele, já rendeu até um convite da própria universidade. “Fui chamado para abrir uma loja dentro da praça de alimentação, mas não aceitei porque aqui tenho acesso ao público da rua. Lá dentro, além de pagar um aluguel alto, só poderia servir os alunos”, justifica.

Com o dinheiro que poupou ao longo da carreira, Eneás está em busca de um ponto comercial para abrir sua primeira loja fixa: uma “hot-dogueria”.

O crescimento, contudo, não significa que ele vai deixar seu carrinho. “Vou continuar vendendo cachorro-quente na rua porque aqui é a minha raiz e raiz a gente não deixa”, defende ele, bastante orgulhoso.

Para não abandonar o seu público-alvo, Enéas pretende abrir uma loja de rua no próprio bairro Rudge Ramos. Assim, explica, pode atender o mesmo público que recebe em seu carrinho, só que em um espaço maior e mais planejado.

Vendedores de cachorro-quente estão espalhados pelo País, mas nem todos conseguem o mesmo resultado no fim do mês. No caso de Enéas, conta, o segredo está no tratamento dado aos clientes, como aceitar fiado, decorar as preferências dos mais assíduos e guardar o carro dos professores. O resto, diz, “é um processo comum entre todos os vendedores de hot-dog”.

Leia também a história: 

Bastante conhecido em Rudge Ramos, o vendedor já foi chamado para ser vereador duas vezes – a última vez na eleição passada. “Neguei porque tinham muitos candidatos e eu quero estar mais preparado. Quem sabe na próxima eleição?”, sugere.

Black Dog

Como Enéas, Leandro Neves, de 38 anos, dono da rede de lanchonetes Black Dog, também começou com um carrinho de cachorro-quente simples na rua.

Para ter dinheiro para sair com a namorada e pagar um curso de inglês, Neves passou a vender hot-dog com um colega em frente à loja do pai, na capital paulista, aos 18 anos. “Conheci uma pessoa que conseguiu comprar carro e sustentar a família com cachorro-quente. Fiquei curioso e quis tentar também”, recorda.

Com a sociedade desfeita meses depois, o jovem decidiu vender hot-dog sozinho. Personalizou o negócio, mudou o ponto para a Avenida Paulista, onde hoje funciona a Fnac, e colocou o nome do carrinho de “Black Dog”; assim começava a história da marca.

Fonte da imagem: https://goo.gl/JSbEWP

“Mandei fazer uniforme bordado e coloquei o logo com o cachorro no carrinho. Nessa época, já ganhava dinheiro com cachorro-quente porque tinha uma clientela grande. O local virou um ponto de encontro”, conta ele.

Em 2001, no entanto, Neves teve de se desfazer do carrinho após uma apreensão da Polícia. Mas, o que era para ser um problema, foi um empurrão para o vendedor abrir sua primeira loja.

Andando pela região da Avenida Paulista, ele encontrou um ponto disponível para lanchonete. Correu para o banco, tomou um empréstimo e abriu sua primeira loja Black Dog, na Alameda Joaquim Eugênio, travessa da Avenida Paulista, em frente à loja atual da marca.

Hoje em dia, a rede possui três lojas próprias e oito franquias, uma delas em Salvador e as restantes no Estado de São Paulo.

Fonte: http://goo.gl/Wjafik

Eai curtiu? Então já compartilha para que mais pessoas saibam dessa história inspiradora! Vamos lá, não demora 9 segundos ;D

 

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *